quarta-feira, 22 de abril de 2009

À margem



Eu não sou daqui, marinheiro só
Eu não tenho amor, marinheiro só



Eu também não sou daqui

e também não sei de nada
dessa gente
que me olha sem me rir
e não entende minha piada.

Eu nem bem cheguei aqui
e já insone é a madrugada.
Até, finalmente,
o sono assistir

minha alma tão cansada.

Mas a vida vive-se aqui,
como em qualquer outra parada.
Felizmente,
entendi
que a vida é sempre estrada.

Um comentário:

Alexandre disse...

sempre estrada
não é à toa que estamos sempre andando pelo retão, por aqui.

Mas faz falta entrar pelos desvios e descobrir as encruzilhadas, clareiras e outros caminhos.