quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Os Incríveis (,ou, Incrível! Fiz um poema de amor)


Talvez não sejamos especiais
E eu não seja o amor da sua vida.
Talvez sejamos desses casais normais
Na lida por casa, contas e comida.
Talvez sejamos apenas iguais
A tudo o mais que há nesta vida
E nosso amor não seja capaz
De encontrar a saída da rotina doída.

E eu continuo (no fundo)
Sentindo que somos únicos
Que meu amor é tão seu
Que não há outro no mundo.

Incrível teimar e crer
Que quem salva este mundo é você.

3 comentários:

adelaide amorim disse...

Eu nem acho que o amor seja assim tão lindo como dizem por aí. Cabral que o diga. Mas nada é só isso ou só aquilo, e o amor também tem dupla face. O lado A é ótimo.
Beijo.

Alexandre disse...

talvez
(e eu digo porque não sei)
seja mesmo combinar
o banal ao único

talvez
(não querendo formular uma lei)
seja enfim aprender
a rotina e o lúdico

talvez então seja
convivência e experiência
o que se almeja

a difícil arte
de às vezes viver o todo
e às vezes só pequena parte

só tenho uma certeza:
a minha luta consiste
em manter a chama acesa
porque você existe

adelaide amorim disse...

E isso é o que eu chamo de lado A ;)